EmCena Apresenta “Terror e Miséria no Terceiro Reich”: Uma Jornada pela História

A peça “Terror e Miséria no Terceiro Reich” é uma obra-prima do teatro, que nos transporta para os dias sombrios da Alemanha nazi. Com uma combinação única de poesia e realidade, a peça convida-nos a refletir sobre os horrores do passado e a importância de aprender com eles.

O Contexto Histórico

Para compreender plenamente a magnitude de “Terror e Miséria no Terceiro Reich”, é necessário entender o contexto histórico em que a peça se desenrola. O Terceiro Reich foi o regime nazi liderado por Adolf Hitler, que governou a Alemanha de 1933 a 1945. Durante este período, o país passou por uma transformação dramática, com a implementação de políticas discriminatórias e uma perseguição sistemática aos judeus e outros grupos minoritários.

Sinopse

“Terror e Miséria no Terceiro Reich” é uma coletânea de 24 cenas curtas escritas por Bertolt Brecht. A peça retrata a vida quotidiana na Alemanha nazi, revelando as dificuldades e o medo que as pessoas enfrentavam sob o regime opressivo. Cada cena apresenta uma história única e comovente, oferecendo uma visão ampla dos horrores do Terceiro Reich.

O texto de Brecht denuncia a integridade do homem que é dilacerado pelo domínio do poder. É uma análise política que identifica, durante a Segunda Guerra, a manipulação de um povo onde são destruídos os planos mais imediatos da sua existência: os seus direitos e a sua liberdade de expressão. É um texto corrosivo e tragicómico, porta-voz das vítimas que são fundamentalmente as classes trabalhadoras contra as quais se ergueu o Estado Nazi.

A peça tem encenação e dramaturgia a cargo de Jorge Gomes Ribeiro e é interpretada por João Cabral, José Mateus, Maria José Paschoal, Paula Neves, Pedro Pernas, Ricardo Raposo, Rita Fernandes, Rui Luís Brás e Sofia Nicholson.

Temas Abordados

A peça aborda uma série de temas importantes, incluindo a perda de liberdade, a propaganda nazi, a censura, a desumanização, a resistência e a esperança. Através de diálogos intensos e personagens cativantes, Brecht faz-nos refletir sobre a fragilidade da condição humana e a importância de lutar contra a opressão.

Estilo Teatral

Brecht era conhecido pelo seu estilo teatral distinto, que ele chamava de “teatro épico”. Em vez de se concentrar na emoção dos personagens, procurava criar uma distância emocional, encorajando o público a analisar criticamente as situações apresentadas. Esta abordagem única permite que o espectador se envolva intelectualmente com a peça, levando a uma reflexão profunda sobre os temas abordados.

Evento e Bilhetes

A peça, promovida pela Ajagato, sobe aos palcos do Auditório Municipal António Chainho, em Santiago do Cacém, e do Auditório Mário Primo, na Escola Secundária Padre António Macedo, em Vila Nova de Santo André, às 21h30, dos dias 18 e 19 de abril, respetivamente.

O preço dos bilhetes é de 5€ para o público em geral e 3€ para menores de 21 anos ou maiores de 65 anos (gratuitos para sócios da Ajagato). Pode reservar o seu bilhete através dos seguintes números:

  • 269 750 410 – Santiago do Cacém
  • 269 751 296 – Vila Nova de Santo André

“Terror e Miséria no Terceiro Reich” é muito mais do que uma peça teatral. É uma lembrança vívida dos horrores do passado e um lembrete para nunca esquecermos as lições que a história nos ensina. Através da sua abordagem única e temas profundos, esta produção convida-nos a refletir sobre a natureza humana e a importância de lutar pelos valores que acreditamos. Se tiver a oportunidade de assistir a esta peça, não hesite. Certamente deixará uma impressão duradoura na sua mente e coração.

PARTILHE NAS REDES
- PUBLICIDADE -

Você também pode gostar:

Geografias-de-uma-vida
Cultura
Descobrindo as "Geografias de uma vida" de José Afonso em Santiago do Cacém

Imerso na rica história e tradição cultural de Santiago do Cacém, o Auditório Municipal

Santiago-do-Cacem
Lazer
Santiagro Está de Volta

A XXXVI edição da Feira Agropecuária e do Cavalo, de Santiago do Cacém, será

ESPECIAL-25-DE-ABRIL
Cultura
Quinta-feira, 25 de Abril de 1974

“…Ritinha, fiquemo-nos por aqui, que o conto agora vai longo e repetido. Fecha o